Migramiño-Minho presente el VIII Congreso Ibérico de Ictiología

Migramiño-Minho presente el VIII Congreso Ibérico de Ictiología

Desenvolvimento do Projecto Interreg Migramiño-Minho (2016-2020): Conservação e
Peixes Migratórios e o seu Habitat na Secção Internacional do Rio Minho e os seus afluentes

Pablo Caballero Javierre1, Rufino Vieira-Lanero2, Sandra Barca2 & Fernando Cobo2,3,4

1 Servizo de Patrimonio Natural de Pontevedra. Xunta de Galicia
(pablo.caballero.javierre@xunta.gal)
2 Estación de Hidrobioloxía “Encoro do Con”, Universidade de Santiago de Compostela,
Castroagudín s/n, 36617 Vilagarcía de Arousa, Pontevedra
3 Departamento de Zooloxía, Xenética e Antropoloxía Física, Facultade de Bioloxía, Universidade
de Santiago de Compostela. Campus Vida s/n, 15782 Santiago de Compostela
4 CRETUS Institute, Cross-Research in Environmental Technologies, University of Santiago de
Compostela. 15782 Santiago de Compostela

 

O objectivo deste projecto é proteger e conservar o habitat fluvial da bacia do Minho na secção internacional (desde a barragem da Frieira até à sua foz no Oceano Atlântico em Caminha-A Guarda) através de acções para melhorar o estado de conservação das espécies de peixes migratórios presentes nesta secção inferior do Minho e dos seus afluentes.

Sete instituições participam neste projecto, três da Galiza (DXPN-Xunta, EHEC-USC, CH Miño-SIL) e quatro de Portugal (ICNF, CIIMAR, APA e CM Vilanova de Cerveira). Actuamos em 6 espécies de peixes diadromos, 5 peixes anadromos (salmão, Salmo salar, lampreia, Petromyzon marinus, sábalo Alosa alosa, saboga Alosa fallax, e reo, Salmo trutta), e um peixe catadromos (a enguia europeia, Anguilla anguilla), em 4 actividades principais:

  1. Aumento da acessibilidade fluvial
  2. Mitigação da pressão
  3. Reforço e melhoria dos recursos haliêuticos
  4. Avaliação do impacto das acções.

 

Até agora, foram obtidos os seguintes resultados para cada actividade:

  1. A acessibilidade foi aumentada ao derrubar 6 obstáculos e ao instalar um dispositivo de franquia inovador num só obstáculo.
  2. Foram propostas normas comuns para a gestão da pesca interior na Secção Internacional do Rio Minho (TIRM) e seus afluentes, levadas a cabo entre os parceiros do projecto e a Marinha Portuguesa e Espanhola. CIIMAR e EHEC-USC prepararam relatórios sobre pressões de origem antrópica. -5 ha de floresta ribeirinha foram restaurados para melhorar a qualidade do habitat do rio Chá. 3) Através do Plano de Translocação da Enguia para rios afluentes de ambos os lados do TIRM, foram lançadas quase 1,5 toneladas de enguias de vidro nos anos de 2016, 2017 e 2019. -Foi criado um efectivo reprodutor de salmão do rio Minho e foram libertados 113.000 juvenis em afluentes de ambos os países em 2017, 2018 e 2019 – foi realizado um estudo sobre o potencial de reprodução em cativeiro de tarpões
  3. EHEC-USC e CIIMAR realizaram inventários dos peixes do rio e relatórios sobre a monitorização dos parâmetros biológicos nos afluentes das duas margens

 

 

El Proyecto Interreg Migramiño-Minho está cofinanciado al 75% por el Programa Interreg V-A POCTEP a través del Fondo Europeo de Desarrollo Regional (FEDER) de la Unión Europea.