Problema Abordado

barra-colores
[mpc_textblock content_width=”100″ font_color=”#333333″ font_size=”16″ font_align=”justify” margin_divider=”true” mpc_tooltip__disable=”true” mpc_tooltip__border_divider=”true” mpc_tooltip__padding_divider=”true”]Em todo o mundo as populações de peixes migradores estão em declínio e na bacia do rio Minho a sua situação é muito preocupante. As principais espécies de peixes migradoras deste rio e os seus afluentes são a truta marisca (Salmo trutta), o salmão (Salmo salar), o sável (Alosa alosa), a savelha (Alosa fallax), a lampreia marinha (Petromyzon marinus) e a enguia (Anguilla anguilla).[/mpc_textblock]
[mpc_textblock content_width=”100″ font_color=”#333333″ font_size=”16″ font_align=”justify” margin_divider=”true” mpc_tooltip__disable=”true” mpc_tooltip__border_divider=”true” mpc_tooltip__padding_divider=”true”]

As espécies alvo do projeto são a truta marisca, o salmão, o sável, a savelha e a lampreia marinha.

[/mpc_textblock]

[mpc_image preset=”mpc_preset_22″ image=”828″ image_size=”full” image_opacity=”100″ image_inner_border_gap=”0″ effect=”none” image_hover_opacity=”100″ image_hover_border_css=”border-color:rgba(255,255,255,0.01);” overlay_background=”rgba(20,78,140,0.8)” overlay_enable_lightbox=”true” overlay_icon=”fa fa-search-plus” overlay_icon_color=”#ffffff” overlay_icon_size=”24″ overlay_icon_background=”#144e8c” overlay_icon_border_divider=”true” overlay_icon_border_css=”border-top:2px;border-right:2px;border-bottom:2px;border-left:2px;border-color:#ffffff;border-style:solid;border-radius:100px;” overlay_icon_padding_divider=”true” overlay_icon_padding_css=”padding-top:15px;padding-right:15px;padding-bottom:15px;padding-left:15px;” overlay_padding_css=”padding:15px;” overlay_hover_color=”#ffffff” overlay_hover_icon_background=”#e22329″ overlay_hover_border=”#ffffff”]
[mpc_textblock content_width=”100″ font_preset=”mpc_preset_13″ font_color=”#333333″ font_size=”14″ font_align=”justify” mpc_tooltip__disable=”true”]

“O embalse de Frieira, a 77 km. da desembocadura do rio Miño, é hoje em dia uma barreira infranqueable até o que podem chegar os peixes migradores”

[/mpc_textblock]

[mpc_textblock content_width=”100″ font_color=”#333333″ font_size=”16″ font_align=”justify” margin_divider=”true” mpc_tooltip__disable=”true” mpc_tooltip__border_divider=”true” mpc_tooltip__padding_divider=”true”]A construção de barragens (que implica perda do habitat, zonas de reprodução, etc.) e uma má regulação pesqueira (com sobre-exploração importante para todas as espécies) são os principais fatores que afetam a sua distribuição e abundância.[/mpc_textblock]
[mpc_textblock content_width=”100″ font_color=”#333333″ font_size=”16″ font_align=”justify” margin_divider=”true” mpc_tooltip__disable=”true” mpc_tooltip__border_divider=”true” mpc_tooltip__padding_divider=”true”]A redução de espécies como o salmão, a enguia, o sável ou a lampreia é tão elevada que a sua escassez se converteu em um novo e crescente problema para as atividades económicas tradicionais que dependem delas e para a conservação da biodiversidade.[/mpc_textblock]
[mpc_textblock content_width=”100″ font_color=”#333333″ font_size=”16″ font_align=”justify” margin_divider=”true” mpc_tooltip__disable=”true” mpc_tooltip__border_divider=”true” mpc_tooltip__padding_divider=”true”]O troço internacional do rio Minho tem associada uma intensiva atividade extrativa com a enguia e a lampreia como principais recursos. Junto com o salmão e a truta marisca foram espécies exploradas tradicionalmente desde a antiguidade pelos habitantes da zona, criando uma forte identidade que se manifesta no acervo cultural comum da zona e no património histórico associado a infraestruturas de pesca, as tradicionais pesqueiras.[/mpc_textblock]
[mpc_textblock content_width=”100″ font_color=”#333333″ font_size=”16″ font_align=”justify” margin_divider=”true” mpc_tooltip__disable=”true” mpc_tooltip__border_divider=”true” mpc_tooltip__padding_divider=”true”]Na atualidade estas espécies são um recurso muito importante para a atividade económica da zona. Segundo dados da Comandância Naval do Minho são mais de 300 as embarcações permitidas para pesca da lampreia (180 em Portugal e 128 na Galiza) associadas a mais de 530 pescadores (290 em Portugal e 240 na Galiza).[/mpc_textblock]
[mpc_textblock content_width=”100″ font_color=”#333333″ font_size=”16″ font_align=”justify” margin_divider=”true” mpc_tooltip__disable=”true” mpc_tooltip__border_divider=”true” mpc_tooltip__padding_divider=”true”]A situação atual das espécies migradoras na bacia do Minho faz imprescindível uma atuação conjunta e coordenada aos dois lados da fronteira que permita melhorar o habitat fluvial e estado das populações dos peixes migradores no rio Minho.[/mpc_textblock]
[mpc_textblock content_width=”100″ font_preset=”mpc_preset_13″ font_color=”#333333″ font_size=”16″ font_align=”justify” mpc_tooltip__disable=”true”]

Existe uma notável perda de qualidade do habitat e das águas superficiais da bacia do Minho e uma sobre-exploração dos recursos pesqueiros das diferentes espécies migradoras (especialmente enguia e lampreia) o qual supõe um importante risco ambiental, com uma grande incidência na economia local da zona. Também põe em risco um elemento básico da identidade cultural e histórica local compartilhada aos dois lados da fronteira relativa ao aproveitamento destes recursos pesqueiros.

[/mpc_textblock]

[mpc_textblock content_width=”100″ font_preset=”mpc_preset_13″ font_color=”#333333″ font_size=”16″ font_align=”justify” mpc_tooltip__disable=”true”]O projeto MIGRA MIÑO – MINHO quer contribuir para reverter esta situação através da cooperação entre diferentes instituições com competências em conservação e gestão de bacias da Galiza e Portugal.[/mpc_textblock]