Marcado acústico de esguines de salmón no rio Tea

Marcado acústico de esguines de salmón no rio Tea

Técnicos da Direção Xeral de Património Natural marcaram um total de 70 esguines de salmón no rio Tea para o seu controlo mediante dispositivos acústicos. A metade das instâncias marcadas, capturados na estação da Freixa (Ponteareas), procediam da repoblación artificial de salmón, enquanto a outra metade eram selvagens.
Para detetar o passo destes peixes no seu descenso para o mar, colocaram-se 4 hidrófonos no rio Tea (águas abaixo da estação A Freixa) e 8 hidrófonos no Trecho Internacional do Rio Minho (Águas embaixo da desembocadura do rio Tea no Minho).
No final de junho extrair-se-ão os hidrófonos e analisar-se-á a informação obtida que permitirá calcular a mortalidade dos 2 grupos de peixes (selvagens e repoblados) nesta importante transição rio/mar do ciclo vital do salmón, como por uma parte permitirá melhorar a estratégia de repoblación e por outra conhecer as causas de mortalidade natural dos juvenis de salmón face a melhorar a sua estratégia de gestão.
Esta atuação enquadra-se dentro das atividades 3 e 4 do Projeto Migraminho, sobre o reforço e melhoria dos peixes migradores (Atividade 3) e a avaliação do impacto das atuações (Atividade 4).