Conheces como se capturam os reprodutores no rio Miño?

Conheces como se capturam os reprodutores no rio Miño?

No Miño, existem 2 estações de captura A Freixa no rio Tea e Frieira no curso principal. A estação de Frieira é a que, na atualidade, nutre de reprodutores ao programa de melhoria de populações de salmón do rio Miño dentro do projeto Migramiño. Começou a trabalhar em 2011 e consiste em uma escala de peixes situada na margem direita de hendiduras verticais que conduz aos peixes a uma jaula que se eleva até depositar os peixes em um tanque quadrangular de poliéster reforçado com fibra de vidro (PRFV) de 5.000 litros de volume.

Em épocas predeterminadas (Primavera-inicio do verão ou outono-inicio do inverno) a escala de Frieira são examinados periodicamente e quando se capturam reprodutores são selecionados para o seu translado em um veículo desenhado ao efeito até a piscifactoría de Carballedo (Cotobade-Pontevedra) gerida pelo Serviço de Conservação da Natureza de Pontevedra da Xunta de Galicia. Estas estações de captura devem ser controladas regularmente para escolher os reprodutores adequados para o programa de repoblación da cada rio que são transladados à piscifactoría onde  levar-se-á a cabo o resto do processo. A captura de reprodutores depende das condições de volume águas embaixo da presa de Frieira, assim a escala de captura pode ter suficiente telefonema ou não para capturar estes peixes na sua tentativa de remonte.

No ano 2016 capturaram-se 23 instâncias, em  2017 capturaram-se 3 reprodutores e em 2018 capturaram-se 19, estes dados encontram-se recolhidos no “Relatório Intermédio sobre a criação de um estoque reprodutor de salmón no rio Miño”, emoldurada dentro da Atividade 3 “Reforço  e melhoria das populações de peixes migradores“.