Migra Miño-Minho e seu plano de translocação para Anguilla

Migra Miño-Minho e seu plano de translocação para Anguilla

Durante os anos de 2016, 2017 e 2019, foram realizadas ações de reforço da população de enguias, através da translocação de espécimes de angulonas que, em seu processo anual de migração do mar, entram no rio Miño e encontram a barreira intransitável de Barragem de Frieiras em Ourense 77 km. da sua boca. De acordo com o ciclo de vida desta espécie, o objetivo dos Angulons é traçar o rio e seus afluentes para ocupar o espaço fornecido pelo habitat do rio para se desenvolver ao longo de vários anos nos rios Baixo Miño. Aqueles Angulons que se deparam com a barreira da represa de Frieira morrem no local se não forem movidos.

Graças ao projeto Migraminho, foi iniciada uma atividade de colaboração entre o ICNF – Instituto de Conservação da Natureza e Florestas de Portugal e a Diretoria Geral do Patrimônio Natural da Xunta de Galicia para promover a transferência de espécimes capturados no pé do reservatório para os rios tributários do Baixo Miño para que não pereçam na barragem e possam se desenvolver em habitats adequados que lhes permitam se desenvolver em rios com total conectividade para seu deslocamento com o mar, permitindo seu retorno ao estado adulto para reprodução. Esta é uma ação localizada na atividade 3 do projeto (reforço e melhoria das populações de peixes migratórios). Desta forma, é atingido o habitat dos rios onde ocorre a liberação, atingindo 1393 quilos de enguias até o momento.

Fonte: Migra Miño-Minho