INVENTÁRIO DE PRESSÕES NA SUBCUENCA INTERNACIONAL DO RIO MINHO

INVENTÁRIO DE PRESSÕES NA SUBCUENCA INTERNACIONAL DO RIO MINHO

 

Para conhecer o grau de fragmentação do habitat da cada espécie ou grupo de espécies da ictiofauna do rio Miño e, portanto, a incidência dos obstáculos sobre a sua distribuição realizou-se um estudo da tipologia dos obstáculos presentes de quatro afluentes selecionados.Na parte espanhola da cuenca, os rios Pego, Furnia, Caselas e Deva. Na parte portuguesa se inventariaron outros quatro rios: Coura, Veiga da Mira, Gadanha e Mouro.

A presença de grandes barreiras transversais nos rios pode chegar a impedir os movimentos da ictiofauna ao longo do eixo fluvial e levar à compartimentação e isolamento das populações dos diferentes trechos. De maneira semelhante, a sucessão de pequenos obstáculos limita a continuidade fluvial de forma que só os indivíduos que apresentem umas características concretas (estado do ciclo, condição individual, etc.) serão capazes de superar um obstáculo determinado e alcançar o seguinte trecho fluvial. Como consequência, obtemos um efeito cumulativo que produz um impacto acumulado, de maneira que os obstáculos exercem uma seleção sobre a população reduzindo a densidade dos seus efetivos ao longo do eixo fluvial (DAGREVE, 2005).

O passo destas barreiras pelos peixes depende, além disso, da espécie de peixe, da sua medida e condição, da altura do obstáculo, da inclinação e da profundidade da poça ao pé do mesmo, etc. aspetos que influem na velocidade de impulso do peixe e, por tanto, na sua capacidade de salto (REISER & PEACOCK, 1985). Também há que ter em conta como é a coroação do obstáculo, já que além da altura a superar mediante salto pode que os peixes tenham que superar um obstáculo horizontal, o que incrementa o efeito barreira.

Apesar de que o número de estruturas sobre o que se prevê atuar no Projeto Migra Miño-Minho são oito, repartidas entre as afluentes da Espanha e Portugal, a listagem realizada inclui um número maior. O objetivo desta maior seleção é o de proporcionar um número suficiente de estruturas potenciais sobre as que atuar, ante a possível existência de problemas futuros que complicam ou impeça a permeabilización de alguns dos impedimentos.